quarta-feira, 21 de março de 2018

O valor de uma vida

O valor de uma vida

Na praia a menina 
achou uma concha, 
conchinha lindinha, 
de arrepiar

No dia seguinte, 
as suas amigas 
daquela conchinha 
iriam gostar.

Mas dentro da concha
havia um bichinho, 
vivo, vivinho, 
a respirar.

"Se eu levo essa concha", 
pensou a menina, 
"avida do bicho 
vai se acabar".

"Se eu levo essa concha
o bicho não vive, 
mas minhas amigas 
vão me elogiar".

SEPENTZOGLOU, Árthemis, Alessandra L. F. Poesia: a rima no trabalho com a linguagem.
In: ROSSETI-FERREIRA,  Maria clotilde. Os fazeres na educação infantil. São Paulo: Cortez, 2009. p. 98.

O grilo apaixonado

O GRILO APAIXONADO

O GRILO LUNALDO 
ANDA APAIXONADO.
NÃO PARA QUIETO
E PULA PARA TODO LADO.

NÃO SAI DE CASA
E ANDA CALADO.
SERÁ QUE POR ACASO
ESTÁ ENAMORADO?

TODOS JÁ DESCONFIAM
QUEM É A CULPADA:
É A BELA GRILINHA 
DA CASA AO LADO.

Regina villaça.

quinta-feira, 15 de março de 2018

Brincando com o alfabeto

BRINCANDO COM O ALFABETO

Regina Villaça. 





A DE AMIZADE
B DE BRINCADEIRA
C DE DE CARINHO
DE DE DOCINHO

E DE ELEFANTE
F DE FESTANÇA
G DE GINCANA
H DE HORIZONTE

I DE INDIOZINHO
J DE JESUS CRISTO
K DE KÊNIA
L DE LIVRARIA
M DE MAMÃEZINHA

N DE NATUREZA
O DE OTIMISMO
P DE PRESENTE
Q DE QUERIDA

R DE RISADA
S DE SAÚDE
T DE TELEVISÃO
U DE UNIÃO

V DE VIDA
W DE WILSON
X DE XODOZINHO
Y DE YURI
Z DE ZUMBIDO

Regina Villaça. Retirado do livro: Oficina de Poemas e Rimas

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Sem casa

SEM CASA

TEM GENTE QUE NÃO TEM CASA
MORA AO LÉU, DEBAIXO DA PONTE.
NO CÉU A LUA ESPIA
ESSE MONTE DE GENTE
NA RUA
COMO SE FOSSE PAPEL.

GENTE TEM QUE TER 
ONDE MORAR,
UM CANTO, UM QUARTO,
UMA CAMA,
PARA NO FIM DO DIA
GUARDAR O CORPO CANSADO,
COM CARINHO, COM CUIDADO,
QUE O CORPO É A CASA
DOS PENSAMENTOS.

MURRAY, ROSEANA. CASAS. SÃO PAULO: FORMATO, 1994.

A bruxa

A bruxa

Vanessa vestiu de bruxa
para amedrontar Licinha,
a caçulinha.

Licinha achou um sarro
e não coisa do mal.
Riu e dançou como ninguém.
Se era carnaval,
queria brincar também.

Como não deu jeito
de amedrontar Licinh
com o malfeito,
o feitiço virou
contra o feiticeiro.

De noite sonhou
que virava bruxa,
mas de verdade.
Tanto se assustou
que ninguém sabe a razão,
mas parece que choveu
no seu colchão.

José, Elias. Caixa mágica de surpresa. são Paulo: Paulinas, 1984.

O grande herói


O grande herói

A história de um herói,
hoje eu quero lhes contar.
É um homem destemido,
quando é hora de lutar!

É um herói que salva todos
no incêndio lá do hotel.
Ele enfrenta até leão,
tigre, onça e cascavel.

É um soldado corajoso,
na defesa nacional.
Não tem medo de injeção,
muito menos de hospital!

Você pode acreditar
em tudo que eu estou falando:
Esse herói sempre sou eu,
toda vez que estou sonhando!

Bandeira, Pedro> mais respeito, eu sou criança! São Paulo: Moderna, 1995.

segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

O trenzinho do Nicolau

O trenzinho do Nicolau

Lá vai Nicolau com seu trenzinho...
Sobe montanha,
atravessa rio,
desce ladeira, cruza desvio.
Piuiii... Piuiii...
Adeus, menino que joga bola...
Adeus, mulheres que lavam roupa...
Adeus, vaquinha que come grama...
Adeus...
Adeus...
Lá vai Nicolau com seu trenzinho.
Todo dia. Todo dia. Todo dia.


Ruth Rocha, o trenzinho do Nicolau, Abril